Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

CÂNCER DE BEXIGA POSSUI ALTA TAXA DE MORTALIDADE

Publicado

em

CÂNCER DE BEXIGA POSSUI ALTA TAXA DE MORTALIDADE

Por Dr. Fernando Leão*

CÂNCER DE BEXIGA POSSUI ALTA TAXA DE MORTALIDADE

 

De acordo com o INCA (INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER) a estimativa de casos novos de câncer de bexiga para o Brasil, dentro do triênio 2020-2022, a expectativa anual será de 7.590 casos em homens e de 3.050 em mulheres. A maioria das pessoas associa o cigarro quase que exclusivamente ao câncer de pulmão, porém o que essa maioria não sabe é que além desse câncer, o tabagismo aumenta em até três vezes a chance de se desenvolver tumor na bexiga. É extremamente importante esse alerta, pois sabemos que o tabagismo é o principal fator de risco para o câncer de bexiga, uma vez que em torno de 70% dos casos de câncer de bexiga estão diretamente ligados ao cigarro.

Quando a fumaça é inalada, compostos do tabaco são absorvidos pelos pulmões, daí vão para o sangue, e são filtrados pelos rins sendo eliminados na urina. Uma vez na bexiga, esses resíduos do tabaco poderão danificar as células da bexiga, promovendo a longo prazo o câncer vesical.

Além do tabagismo, outros fatores estão envolvidos na origem do câncer de bexiga, como:

– Taxa de hidratação: uma boa hidratação diária promove uma maior diluição das substâncias tóxicas presentes na urina, e um aumento no número das micções diárias. Em ambas as situações teremos a diluição da urina e diminuição do contato das toxinas com a parede da bexiga.

– Anilina e seus derivados:  trabalhadores da indústria têxtil, e das indústrias que utilizam borracha, couro, tintas, estão expostos a um risco maior para o câncer de bexiga. Pois são elementos de alta toxicidade para o organismo.

– Radioterapia pélvica:  pacientes tratados com radioterapia para câncer de próstata, reto e útero, têm um risco maior de desenvolver câncer de bexiga, pois geralmente a bexiga está incluída no campo demarcado a ser irradiado. Vale lembrar que o risco nessa situação é baixo.

-Ciclofosfamida: é um medicamento utilizado no tratamento de doenças autoimunes, hematológicas, doenças reumáticas e outras. O risco de câncer de bexiga nessa situação é tempo dependente, ou seja, quanto maior o tempo de uso do medicamento maior o risco.

– Risco hereditário: o risco para familiares aumenta quando um parente de primeiro é acometido pela doença.

Normalmente o sinal inicial do câncer de bexiga é a presença de sangue na urina (hematúria), geralmente indolor. Além disso, o paciente pode apresentar dor ao urinar, dor no abdômen inferior, dor lombar, anemia, infecções urinárias e outras.

Diante da suspeita, o paciente deve ser submetido a exames laboratoriais (sangue e urina), exame de imagem (ultrassonografia, tomografia de abdômen com contraste, ou ressonância magnética de abdômen com contraste), cistoscopia (endoscopia da bexiga) com biópsia. O diagnóstico definitivo é feito pela histopatologia (avaliação do material retirado na biópsia de bexiga durante a cistoscopia). Uma vez confirmado o diagnóstico, as opções de tratamento serão cirurgia (retirada apenas da lesão, retirada parcial ou total da bexiga), radioterapia, quimioterapia ou imunoterapia. A melhor opção de tratamento será definida dentro de protocolos, nos quais serão levados em consideração o tipo do tumor, as características das lesões na bexiga (número de lesões, localização e se são superficiais ou não), o perfil do paciente (idade, peso, status de saúde, doenças associadas, etc), se está localizado na bexiga ou se tem metástases.

Como prevenção ao câncer de bexiga, a recomendação é evitar o tabagismo, manter uma rotina diária de prática de atividade física com uma alimentação balanceada e uma hidratação adequada.

 

__________________

*Dr. Fernando Leão – Urologista e cirurgião robótico do Hospital Israelita Albert Einstein de São Paulo e Goiânia. 

mais lidas