Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Brasil cai em ranking global de competitividade de talentos

Publicado

em

Brasil cai em ranking global de competitividade de talentos

País ficou em 72ª posição, entre 132 países

O Brasil caiu da 72ª para a 80ª posição entre 2019 e 2020 no ranking global de competitividade de talentos (GTCI, na sigla em inglês), elaborado pela instituição INSEAD. O país ficou com índice GTCI (adotado para comparar os países) 38.14, abaixo da média dos países de renda média-alta onde foi situado, definida em 41.25.

As nações com melhor desempenho foram Suíça, Estados Unidos, Cingapura, Suécia e Dinamarca. Na ponta de baixo da lista figuram Iêmen, Angola, Congo, Burundi e Moçambique. O ranking analisa 132 países em diversos aspectos relacionados ao ambiente econômico e político, educação, promoção de talentos e habilidades.

Neste ano, o país apareceu mais bem colocado no desenvolvimento (55ª posição) e retenção de talentos (70ª posição). Já o pior desempenho ocorreu nas categorias conhecimentos técnicos (101ª posição) e atração de talentos (96ª posição). Em 2019, o país teve índices melhores nas categorias de conhecimentos técnicos (88ª posição) e atração de talentos (80ª posição). Os piores desempenhos foram no desenvolvimento (54ª posição) e retenção de talentos (63ª posição).

No contexto geral do país para permitir o surgimento de talentos, o Brasil teve as maiores notas na população urbana (84.5), disponibilidade de trabalhadores graduados (77.4), intensidade da competição (68.2), infraestrutura de tecnologias da informação e comunicação (58.1) e mercado (56.2). Já os destaques negativos apareceram em cooperação entre trabalhadores e empregadores (19.3), políticas trabalhistas ativas (26.5), gasto com pesquisa e desenvolvimento (27.4), corrupção (28.3) e pagamento por produtividade (33.3).

Nos esforços de atração de talentos o Brasil se saiu bem em redução da desigualdade de gênero na educação (86.1), número de mulheres graduadas (82.2), tolerância com imigrantes (69.8), investimento externo e transferência de tecnologia (61.1) e abertura interna (56.1). Já os desempenhos mais fracos ocorreram na presença de estudantes internacionais (0.7), número de imigrantes (7), liderança de mulheres (16.8) e abertura externa (28.9).

 

 

 

 

EBC

mais lidas