Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Biden confirma vitória sobre Trump na Geórgia

Publicado

em

Biden confirma vitória sobre Trump na Geórgia

Projeções são de 306 votos para Biden contra 232 de Trump

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, solidificou a vitória sobre o presidente Donald Trump, nesta sexta-feira (13), depois que o estado da Geórgia entrou para sua lista de triunfos, deixando Trump com pouca esperança de reverter o resultado por meio de contestações judiciais e recontagens.Biden confirma vitória sobre Trump na GeórgiaBiden confirma vitória sobre Trump na Geórgia

A Edison Research, que fez a projeção, também indicou que a Carolina do Norte, o único outro estado crucial que ainda conta os votos, irá para Trump, finalizando a contagem com 306 votos para Biden e 232 para Trump no Colégio Eleitoral.

Os números deram a Biden, um democrata, uma retumbante vitória sobre o republicano Trump no Colégio Eleitoral, igualando os 306 votos que Trump conquistou para derrotar Hillary Clinton no triunfo de 2016, que o republicano chamou de “avassalador”.

Embora Trump ainda não tenha admitido a derrota, representantes de Biden reiteraram que estão avançando com os esforços de transição.

Apesar de o voto popular nacional não determinar o resultado da eleição, Biden estava à frente por mais de 5,3 milhões de votos, ou 3,4 pontos percentuais. A porcentagem que ele tinha no voto popular, de 50,8%, era ligeiramente superior à de Ronald Reagan na eleição de 1980, quando ele derrotou Jimmy Carter.

Trump tem argumentado, sem apresentar provas, que houve uma fraude eleitoral generalizada e se recusa a admitir a derrota.

Autoridades eleitorais estaduais não relataram nenhuma irregularidade grave e várias das contestações jurídicas do presidente fracassaram nos tribunais.

Para ganhar um segundo mandato, Trump precisaria reverter a liderança de Biden em pelo menos três estados, mas até agora não conseguiu apresentar evidências de que poderia fazê-lo em qualquer um deles.

Os estados têm um prazo até 8 de dezembro para certificar suas eleições e escolher eleitores para o Colégio Eleitoral, que oficialmente selecionarão o novo presidente em 14 de dezembro.

Uma corte estadual de Michigan rejeitou na sexta-feira um pedido de Trump para impedir a certificação de votos em Detroit, que votou fortemente a favor de Biden, e os advogados da campanha de Trump retiraram um processo no Arizona depois que a contagem final dos votos o tornou discutível.

Autoridades de segurança eleitoral federal não encontraram evidências de que qualquer sistema de votação excluiu ou perdeu votos, mudou votos, “ou de alguma forma comprometeu” a eleição, disseram dois grupos de segurança em um comunicado divulgado na quinta-feira (12) pela principal agência de segurança cibernética dos EUA.

Transição

Representantes de Biden disseram que avançariam com a transição, identificando as prioridades legislativas, revisando as políticas das agências federais e se preparando para preencher milhares de cargos no novo governo.

“Estamos avançando com a transição”, afirmou Jen Psaki, consultora sênior da equipe de transição de Biden, em uma teleconferência na sexta-feira, enfatizando que Biden ainda precisa de “informações em tempo real” da administração Trump para lidar com a pandemia e ameaças à segurança nacional.

Psaki fez um apelo à Casa Branca para permitir que Biden e a vice-presidente eleita, Kamala Harris, recebam briefings diários de inteligência sobre potenciais ameaças em todo o mundo.

“A cada dia que passa, torna-se mais preocupante que nossa equipe de segurança nacional e o presidente eleito e a vice-presidente eleita não tenham acesso a essas análises de ameaças, briefings de inteligência, informações em tempo real sobre nossos compromissos pelo mundo”, disse Psaki.
.

 

.

 

.

 

Agência Brasil

mais lidas