Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Após pressão de Wassef, processo de delação da JBS voltou a Aras cinco vezes

Publicado

em

Após pressão de Wassef, processo de delação da JBS voltou a Aras cinco vezes

Nesta semana, PGR abriu investigação para saber se o advogado da família Bolsonaro recebeu dinheiro ilegal da empresa

O processo envolvendo a renegociação do acordo de delação premiada da JBS voltou cinco vezes para o gabinete do procurador-geral da República, Augusto Aras (foto), desde a investida feita pelo advogado Frederick Wassef em favor da empresa junto à PGR, com a ajuda do presidente Jair Bolsonaro.

Como Crusoé revelou nesta semana, Wassef foi à Procuradoria-Geral no dia 4 de outubro do ano passado para tratar do acordo de colaboração da empresa controlada pelos irmãos Joesley e Wesley Batista. Antes do encontro, Bolsonaro pediu a Aras para que Wassef, que era seu advogado e de seu filho 01, o senador Flávio Bolsonaro, fosse recebido na PGR.

O presidente ainda telefonou, pessoalmente, para o subprocurador-geral José Adonis Callou de Araújo Sá, que tinha acabado de ser escolhido por Aras para coordenar o grupo de trabalho da Lava Jato na PGR. Adonis recebeu Wassef em seu gabinete, mas encerrou a conversa logo que soube que o advogado de Bolsonaro não tinha procuração da JBS para tratar do processo.

O encontro ocorreu quando o processo físico da renegociação da delação premiada da JBS ainda estava na PGR. Segundo o registro de deslocamento processual no site do Supremo Tribunal Federal, a peça havia chegado à sede do Ministério Público Federal no dia 19 de setembro, uma semana antes da posse de Aras no comando da instituição.

Após a investida de Wassef no dia 4 de outubro, o processo retornou outras cinco vezes ao gabinete de Aras. A primeira vez foi no dia 9 de outubro, ou seja, cinco dias apos a visita do advogado dos Bolsonaro . A peça permaneceu na PGR até o dia 24 daquele mês, quando foi devolvida ao STF, para o gabinete do ministro Edson Fachin, relator do caso.

No dia 28 de outubro, o processo da JBS retornou ao gabinete de Aras, ficando até o dia 4 de novembro. No mês seguinte, a peça ficou outros três dias para análise do PGR. O maior período, contudo, foi entre março e abril deste ano, quando os autos da renegociação da delação dos irmãos Batista ficou mais de um mês e meio em poder da Procuradoria-Geral.

Nessa época, a subprocuradora-geral Lindôra Araújo, braço-direito de Aras, já havia assumido a coordenação do grupo da Lava Jato no lugar de Adonis Callou. Em junho, o processo da JBS registrou mais uma passagem pela PGR, de pouco mais de 20 dias, antes de retornar ao Supremo.

Desde a gestão do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que assinou o acordo com a JBS em 2017, a PGR tem defendido a anulação da colaboração premiada , a maior já feita no país, porque os irmãos Batista omitiram fatos criminosos relevantes em seus depoimentos e continuaram praticando atos ilícitos no mercado financeiro.

Em novembro do ano passado, após a visita de Wassef, o próprio Augusto Aras chegou a defender a rescisão em mais um parecer enviado ao STF. Curiosamente, pouco tempo depois, a PGR passou a considerar a possibilidade de rever sua posição e iniciou, então, tratativas no sentido de repactuar o acordo com a JBS, cujo julgamento no STF chegou a ser pautado para o último dia 17 de junho, mas acabou adiado.

Como Crusoé revelou na última quarta-feira, 19, Wassef recebeu 9 milhões de reais da companhia de Joesley e Wesley Batista desde 2015. Segundo a JBS, o contrato com o ex-advogado do clã Bolsonaro previa a atuação dele em “inquéritos policiais” e não junto à PGR. Aras negou ter havido interferência de Bolsonaro no caso e disse que mantém sua posição contrária à repactuação do acordo com a empresa dos Batista. Wassef disse que não atuou para a JBS no caso da delação premiada.

.

 

.

 

.

 

.

 

IG

mais lidas