Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Ana Cañas defende liberdade sexual feminina em álbum militante de discurso mais forte do que a música

Publicado

em

Ana Cañas defende liberdade sexual feminina em álbum militante de discurso mais forte do que a música

Ana Cañas abre o peito e a boca, tomando posições no sexto álbum, Todxs (Guela Records), quinto disco de estúdio dessa cantora, compositora e instrumentista paulistana.

Com discografia mutante desde que foi revelada nos anos 2000 como uma voz da elite de São Paulo, Cañas se metamorfoseia em Todxs e se reapresenta como voz engajada que defende sobretudo a liberdade sexual feminina e o direito das mulheres ao gozo.

Altivo e necessário em tempos de ondas conservadoras, esse discurso domina a primeira metade do álbum produzido pela própria Cañas com Thiago Barromeo, músico polivalente que responde por beats, baixo, guitarra, violão, baixo synth e congas no disco.

“Não se apavore com uma mulher que goza”, alerta a cantora em verso de Lambe-lambe (Ana Cañas), indo direto ao ponto G em letra sobre sexo oral que evoca Lalá (2017), single lançado pela rapper Karol Conka no mesmo ano em que Canãs hasteou a bandeira do ativismo em Respeita (Ana Cañas, 2017), single que deu a pista militante do repertório essencialmente inédito e autoral do álbum Todxs.

Capa do álbum 'Todxs', de Ana Cañas — Foto: Reprodução

Capa do álbum ‘Todxs’, de Ana Cañas — Foto: Reprodução

Destaque desse repertório que oscila com fôlego menor do que o discurso, a balada-blues Declaro my love (Ana Cañas, Lúcio Maia, Arnaldo Antunes, Taciana Barros) sentencia que a mulher tem direito de exercer a liberdade sexual no tempo e na hora que bem entender.

Música submetida à batida eletrônica que dita o ritmo sintetizado de TodxsEu dou (Ana Cañas) atualiza, sem a necessidade do malicioso duplo sentido de outrora, o discurso de empoderadas pioneiras da música brasileira como Carmen Miranda (1909 – 1955).

Diva dos anos 1930 que emplacou sucessos como Eu dei… (Ary Barroso, 1937), Carmen desafiou o patriarcado atacado quase um século depois por Cañas em músicas como a que dá nome ao disco, Todxs, composta e gravada pela artista com o rapper Sombra.

Musicalmente, Todxs mixa ritmos como blues e soul – matrizes da música negra norte-americana diluídas na cadência de composições como Tão sua (Ana Cañas) – com beats eletrônicos que soam por vezes uniformes.

Ana Cañas reitera o discurso feminino ao longo do álbum 'Todxs' — Foto: José de Holanda / Divulgação

Ana Cañas reitera o discurso feminino ao longo do álbum ‘Todxs’ — Foto: José de Holanda / Divulgação

Sem medo de cair no discurso panfletário (até necessário para rebater a atual onda conservadora), Cañas apresenta disco conceitual que se mantém no foco até quando a cantora preserva o gênero do verso-título da balada-soul Eu amo você (Cassiano e Silvio Roachel, 1970).

“Eu amo você, menina”, repete Cañas, ao reviver o sucesso de Tim Maia (1942 – 1998) com a liberdade de se passar por lésbica no discurso da canção em regravação em que a cantora explora ao limite as regiões agudas da voz, de potência usada na plenitude na interpretação da dilacerante balada Dói (Ana Cañas).

A sensualidade latente em todo o álbum Todxs justifica o mergulho lânguido em Tua boca (Itamar Assumpção, 1993), feito por Cañas com Chico Chico, filho de Cássia Eller (1962 – 2001), cantora libertária da década de 1990 que parece ter sido uma das musas inspiradoras de Cañas no manifesto deste disco que explicita o viés político ao assentarTijolo (Carlos Posada, 2017) no repertório.

Ana Cañas regrava músicas de Cassiano e Posada no quinto álbum de estúdio — Foto: José de Holanda / Divulgação

Ana Cañas regrava músicas de Cassiano e Posada no quinto álbum de estúdio — Foto: José de Holanda / Divulgação

Mesmo com pouco mais de dois minutos, Tijolo alicerça a posição clara de Cañas na luta pela democracia, pela igualdade social e pela manutenção das liberdades individuais. Em Independer (Ana Cañas, Arnaldo Antunes e Taciana Barros), a cantora levanta novamente a voz para bradar o direito a cair fora do jugo machista.

Mas aí, na metade final do álbum Todxs, fica mais evidente que o disco peca pela excessiva reiteração do mesmo discurso em músicas menos inspiradas como A onça e o escorpião (Ana Cañas).

Ainda assim, Todxs dá o bote, se impondo como manifesto necessário em tempos ameaçadores. Ao contrário de muitos homens, Ana Cañas sabe usar bem a língua. (Cotação: * * * 1/2)

mais lidas