Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

A grande corrida por partidos, recursos e votos

Publicado

em

kleber carrilho

Por Kleber Carrilho*

 

A grande corrida por partidos, recursos e votos

 

Esta é a última semana para quem quer concorrer a algum cargo nas eleições de 2022 arranjar um partido. E isso cria uma corrida desembestada. Candidatos sem votos suficientes procuram partidos que garantam cadeiras, e partidos procuram quem tem votos para garantir os lugares na Câmara dos Deputados e nas Assembleias.

Com exceção de quem está em um partido por motivos ideológicos (e isso é raro no Brasil), todos estão à procura também de uma coisa fundamental: dinheiro para fazer campanhas.

Isso porque, com o fundo eleitoral aprovado, alguns partidos vão ter centenas de milhões de reais para distribuir para o desenvolvimento de campanhas: comunicação, mobilização, contabilidade, advogados, todos estão fazendo as contas de quanto vão gastar para conquistar os votos.

Com a possibilidade de impulsionar conteúdos nas redes sociais, os estrategistas estão também de olho nas ferramentas para distribuir conteúdos que façam sentido e comuniquem de forma clara para quem pode ser eleitor.

Ao contrário de 2018, em que pouca gente tinha capacidade de entender como ocorria a emissão de mensagens pelas redes, agora isso se tornou um ambiente concorrido, com profissionais e formas disponíveis para quem, é claro, tiver os recursos dos partidos.

Como a distribuição do dinheiro, em cada partido, segue os desejos dos caciques, também é hora dos contratos que serão (ou não) cumpridos, de acordo com o que pode resultar em poder para quem tem o partido nas mãos.

De projetos, ideias, possibilidades de discussão sobre o futuro, quase nada. Afinal, o que vale agora é tentar conquistar ou manter poder.

E tem mais: com chapas mais enxutas e a possibilidade de que os partidos formem federações, muitas surpresas vão acontecer. É possível que gente que está presente há muito tempo na Câmara e nas Assembleias acabem ficando de fora.

Isso sem falar nas dúvidas sobre a aproximação ou não das campanhas para deputados das candidaturas para o Executivo. Por exemplo, veja a dificuldade do Centrão: se todos se aproximarem tão claramente de Bolsonaro, o que farão se ele não ganhar? Por isso, para eles, sempre é importante manter a possibilidade de participar de um governo Lula desde o primeiro dia, se o ex-presidente for eleito.

Este texto, que parece confuso, é um reflexo do cenário, em que todos procuram explicações, possibilidades de antecipação do futuro, para ter certeza de que vão ter poder. E isso é o que é a cara da política brasileira: poder no curto prazo.

Para muitos dos nossos líderes, no futuro a gente fala sobre o futuro futuro. Agora, o intuito é se agarrar com unhas e dentes as cadeiras e os recursos públicos disponíveis.

 

 

______________

Kleber Carrilho é professor, analista político e doutor em Comunicação Social
Instagram: @KleberCarrilho
Facebook.com/KleberCarrilho

mais lidas